Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Barroso fala em ‘genocídio’ ao citar atuação do governo na pandemia

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Mais um ministro do Supremo voltou a ligar a atuação do governo de Jair Bolsonaro na pandemia de coronavírus com um “genocídio”. Luís Roberto Barroso, que comanda também o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), disse em um seminário promovido pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), que o STF evitou um “genocídio” ao impedir o Planalto de impor medidas contra o isolamento social de Estados e municípios.

O ministro Luís Roberto Barroso

O ministro Luís Roberto Barroso Foto: Roberto Jayme/TSE

“Num momento em que se recomendava o isolamento social, a política pública de convocação das pessoas ao trabalho e às ruas poderia produzir um genocídio, sobretudo nas comunidades pobres. E por tanto, em nome do direito à vida, e do direto à saúde, o Supremo impediu a difusão dessa campanha”, disse Barroso como mostra o Buzzfeed.

Barroso é o segundo ministro a falar em “genocídio” nas atitudes do governo de Jair Bolsonaro ante o coronavírus. Antes dele, Gilmar Mendes criticou a atuação das Forças Armadas no Ministério da Saúde, comandado pelo general Eduardo Pazuello, e disse que os militares estariam se associando a “um genocídio”.