Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

61% dos deputados defendem auxílio emergencial em 2021

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Cerca de 61% dos deputados federais defendem a manutenção do auxílio emergencial até 2021, caso o governo não aprove um programa de transferência de renda até lá, mostrou uma pesquisa da XP Investimentos divulgada nesta segunda-feira, 5. Entre eles, 45% defende a prorrogação do benefício da forma como está e 16% defende a extensão com alterações.

Aplicativo do auxílio emergencial do governo federal. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Entre integrantes de bancadas aliadas ao presidente Jair Bolsonaro, 42% são favoráveis à prorrogação do benefício como está, enquanto entre parlamentares da oposição, o índice sobe para 53%. Outros 10% dos deputados que não se opõem ao governo e 34% dos integrantes da oposição se disseram favoráveis à prorrogação com alterações. Cerca de 19% dos deputados consultados são contrários à prorrogação do benefício e 20% preferiram não responder. A pesquisa ouviu 174 dos 513 deputados, entre 14 e 30 de setembro.

Teto de gastos

Apenas 15% dos deputados que não fazem oposição a Bolsonaro consultados acham que excluir a despesa para o financiamento do programa social que o governo tenta formular do teto de gastos é a melhor opção. Já entre a oposição, 50% consideram a alternativa o melhor caminho para a criação do programa.

Na semana passada, o governo tropeçou nas propostas apresentadas para o Renda Cidadã ao sugerir que o programa seja bancado com recursos do Fundeb, que não entram no teto de gastos, e os reservados para o pagamento de precatórios. A proposta foi considerada uma tentativa de pedalada fiscal de duas formas diferentes. No fim da semana, a possibilidade de furar o teto de gastos marcou presença nos discursos de desabafo do ministro da Economia, Paulo Guedes, que disse que “se a doença vier”, se referindo a uma nova onda de coronavírus, haverá essa possibilidade. “Se a doença vier, vamos furar teto. Mas não vamos furar o teto para fazer política”, afirmou na sexta.