Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Governo autoriza mais 63 novos agrotóxicos

Equipe BR Político

O governo autorizou a comercialização de 63 novos agrotóxicos nesta terça-feira, 17, conforme publicado no Diário Oficial da União. Desses, sete são inéditos e 56 são genéricos cujos ingredientes base já estão presentes em outros produtos do mercado.

Agricultor aplica agrotóxicos em sua lavoura

Foto: Divulgação

Todos os novos pesticidas aprovados oferecem perigo ambiental considerável, de acordo com a classificação realizada pelo Ibama. A maioria – 70% – é avaliado como “muito perigoso ao meio ambiente”, o segundo nível mais alto na categorização.

A formalização dessas substâncias ocorre uma semana antes da Assembleia-Geral da ONU, na qual Jair Bolsonaro vai discursar para uma comunidade internacional atenta à crise ambiental brasileira, desencadeada por desmatamento e queimadas na Amazônia.

Com a liberação desta terça, são 325 pesticidas liberados até o momento na gestão Bolsonaro. O ritmo de liberação de 2019 é o mais alto da série histórica do ministério, iniciada em 2005. Segundo o governo, Anvisa, Ibama e Ministério da Agricultura, os três órgãos responsáveis pela autorização dos novos agrotóxicos, realocaram servidores para que a fila de registros ande mais rápido. O prazo legal para liberação é de quatro meses, mas há produtos que estão na espera há dez anos.

A pasta coloca que o objetivo da desburocratização é aprovar moléculas “menos tóxicas e mais ambientalmente corretas”, para substituição de produtos antigos. No entanto, não houve grandes mudanças no perfil toxicológico e de periculosidade ambiental dos produtos aprovados em 2018 para 2019, até o momento.

Na base de dados do ministério de 2019, constam até agora 129 agrotóxicos registrados. Tanto neste ano como no ano passado, a fatia maior dos pesticidas registrados são muito perigosos ambientalmente. Já a proporção de produtos classificados como pouco perigosos foi maior em 2018 do que em 2019 – 20% e 12%, respectivamente.