Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

A 5 dias de eleição nos EUA, Biden lidera com vantagem média de 9 pontos

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Na contagem regressiva para o fim das eleições dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, que vinha perdendo margem à frente do presidente Donald Trump, mas se mantendo na liderança nas pesquisas, tem, a cinco dias do fim do prazo para que a população vote, uma vantagem média de 9 pontos porcentuais nas intenções de voto, segundo levantamento do The New York Times com pesquisas divulgadas diariamente. 

O segundo e ultimo debate presidencial entre Joe Biden e Donald Trump nos Estado Unidos

O segundo e último debate presidencial entre Joe Biden e Donald Trump nos Estado Unidos Foto: Morry Gash/Pool via Reuters

O cenário imprevisível, principalmente pela lembrança de 2016, quando a oponente democrata de Trump, Hillary Clinton, liderava nas pesquisas até o último dia da eleição, se mantém, apesar dos levantamentos indicarem uma vitória mais provável de Biden e índices um pouco mais confortáveis aos democratas que no pleito anterior.

Nesta quinta-feira, 29, Biden e Trump se cruzam em Tampa, na Flórida, estado decisivo e com um dos maiores pesos para a definição de quem será o próximo presidente nas eleições. Mais do que isso, a região de Tampa é também decisiva para os resultados do próprio estado onde Biden lidera com uma pequena vantagem, de 2 pontos porcentuais.

Só nesta quinta-feira, pelo menos 13 pesquisas diferentes prevendo as intenções de voto no âmbito nacional nos Estados Unidos foram publicadas. Todas elas mostram Biden na frente, com vantagens que variam entre 1 e 12 pontos porcentuais. Segundo a análise do jornal americano, se as pesquisas deste ano seguir a mesma “taxa” de erro, ou seja, se houver a mesma diferença entre o que mostravam as pesquisas e o resultado real das votações nos estados, Biden ainda terminaria na frente, conquistando 335 colégios eleitorais contra 203 de Trump.

Tudo o que sabemos sobre:

eleição americanaJoe BidenDonald Trump