Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

A fé de Lula no Congresso e no STF

Equipe BR Político

O ex-presidente afirmou nesta quarta-feira, 20, que o “grande processo” de sua vida é ver anulados pela Justiça os processos pelos quais responde. Em sua primeira entrevista após ser posto em liberdade, Lula falou ao blog Nocaute sobre sua expectativa para o julgamento do STF sobre a suspeição do ex-juiz Sérgio Moro e para as discussões no Congresso sobre a prisão após condenação em segunda instância.

“Eu espero que o Congresso Nacional tenha juízo. Uma Constituição não é um boletim, um manuscrito ou uma coisa apócrifa que você pode rasgar e jogar fora a toda hora”, disse Lula. E completou: “Espero que o Congresso tenha a grandeza de não derrubar a questão do trânsito em julgado”.

“Espero que o Congresso tenha a grandeza de não derrubar a questão do trânsito em julgado”, afirmou o ex-presidente Foto: Adriano Machado/Reuters

Quando a conversa com o jornalista Fernando Morais avançou para o julgamento que o STF fará sobre a conduta de Moro nos processos da Lava Jato, Lula, apesar de dizer que saiu da prisão “com nenhum espírito de vingança”, não poupou ataques à dupla da Lava Jato formada pelo atual ministro da Justiça e Segurança Pública e pelo procurador Deltan Dallagnol. Lula disse esperar que “a Suprema Corte tenha a sabedoria de reconhecer” seu papel “de garantir o cumprimento da Constituição”.

Na sequência, subiu o tom contra seus antagonistas. “Agora, se provarem que o Moro fez sacanagem, que ele é um juiz de má-fé, que ele foi mau-caráter no processo do meu julgamento, que ele seja punido em defesa da própria instituição. Se o Dallagnol, um cidadão que vai na televisão e faz um powerpoint dizendo que eu sou chefe de uma quadrilha e quando ele termina, depois de uma hora e meia, quando eu espero que ele vai apresentar uma denúncia ele fala ‘não me peçam provas’, esse cidadão deveria ser exonerado naquele dia e deveria ter sido preso”, criticou o petista.