Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

A ‘máquina do ódio’ apontada contra Doria

Marlos Ápyus

Exclusivo para assinantes

Apesar do nome, o Bot Sentinel não monitora apenas a atuação de bots no Twitter, mas a de qualquer grupo organizado que, com um comportamento incomum, tente manipular o debate público. Para tanto, a parte mais braçal do trabalho é feita por uma inteligência artificial que, com base nas regras de uso da rede, analisa em tempo hábil a atividade de mais de um milhão de perfis.

Por todo o ano, o serviço vem flagrando usuários problemáticos que defendem o governo brasileiro. Com a escolha de Kássio Marques para o STF, o clima esfriou. Mas, após o breve hiato, tais perfis voltaram com força. Desde o último sábado, foram 29 alertas de que uma ação orquestrada tentava ampliar o alcance de duas hashtags: #DORIATEMQUECAIR e #DORIAVAICAIR. Nas postagens, todo tipo de ataque baixo, e a convocação de uma manifestação contrária ao governador de São Paulo.

Na manhã desta segunda foi feito o maior registro até aqui, com a soma de mais de 500 citações à tags que atacam João Doria. Para efeito de comparação, a terceira colocada no ranking contabilizava apenas 80 mensagens de apoio à reeleição de Donald Trump em uma disputa presidencial que há de se encerrar em 8 dias.

Na semana passada, Jair Bolsonaro proibiu o Ministério da Saúde de comprar a vacina produzida em São Paulo. Por causa da crise, a palavra impeachment voltou a circular na boca dos parlamentares, e até na de Lula. Na tarde de sexta-feira, Doria e Rodrigo Maia propuseram que a questão fosse resolvida com bastante diálogo. Contudo, na madrugada seguinte, o Bot Sentinel fez no Twitter o primeiro flagra na ação orquestrada.

É emblemático que o comportamento tenha sido primeiro observado em momento tão inoportuno. Nas madrugadas, as atividades nas redes sociais caem de tal maneira que fica mais fácil emplacar qualquer coisa nas ferramentas que medem os temas mais quentes. Quando o sol nasce, os usuários menos engajados são impactados pela mensagem, e convertem o que era inautêntico em assunto do dia.

Tudo o que sabemos sobre:

redes sociaisbotsJoão Doriabolsonarismo