Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

A Opinião do Estadão: Cautela, depois da boa surpresa

Equipe BR Político

“Setembro começou com um pouco mais de otimismo no mundo empresarial e financeiro, mas as projeções permanecem muito prudentes, mesmo depois da boa surpresa sobre o segundo trimestre, quando o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,4%, segundo o balanço oficial. A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avaliou como sinal positivo esse desempenho, puxado pela expansão de 0,7% da produção industrial, mas adicionou uma advertência. A retomada do crescimento, de acordo com o comentário, continua a depender de duas linhas de ação – medidas urgentes de estímulo ao consumo e reformas de longo alcance, como a dos impostos e contribuições.

Os novos dados do PIB foram divulgados na quinta-feira passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No dia seguinte foram colhidos os dados da pesquisa Focus, conduzida semanalmente no mercado pelo Banco Central (BC). Em uma semana o crescimento do PIB projetado para 2019 passou de 0,80% para 0,87%. Houve melhora das expectativas para este ano, sim, mas nenhuma explosão de otimismo. Além disso, as taxas de expansão estimadas para os anos seguintes ficaram inalteradas: 2,10% em 2020, 2,50% em 2021 e 2,50% em 2022″, diz trecho de editorial do Estadão desta terça-feira, 03.

Tudo o que sabemos sobre:

CNIPIB