Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

A Opinião do Estadão: O custo da ideologia

Equipe BR Político

“As dificuldades do Mercosul são inúmeras. A principal talvez seja sua tendência a se fechar para o mundo, comportamento que se explica, em parte, por um cacoete ideológico típico da América Latina chamado genericamente de “anti-imperialismo”. Em nome da proteção dos interesses regionais contra uma suposta invasão de potências econômicas globais, o Mercosul contentou-se a comprar e vender praticamente apenas dentro de suas fronteiras, e o resultado disso é a participação ainda hoje irrisória dos países que o compõem no comércio global.

Esse isolacionismo se acentuou no início dos anos 2000, a partir da ascensão ao poder de lideranças populistas de esquerda – sobretudo Lula da Silva no Brasil e Néstor Kirchner na Argentina. Pior: enquanto se recusava a negociar uma área de livre comércio com o Nafta (Estados Unidos, Canadá e México) e fazia jogo duro para se acercar da União Europeia, o Mercosul saiu a celebrar acordos insignificantes – foram fechados negócios com Israel, Egito e Palestina.”

Diz trecho de editorial do Estadão nesta terça-feira, 5.

Tudo o que sabemos sobre:

Mercosul