Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Weintraub estuda punir alunos com nota baixa no Enade

Equipe BR Político

Abraham Weintraub, ministro da Educação, disse que o governo estuda criar mecanismos de punição a alunos que tirarem nota baixa no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), em coletiva nesta sexta-feira, 4.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, durante apresentação dos resultados do Enade 2018

Abraham Weintraub apresenta resultados do Enade 2018. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

“Uma pessoa que acerta 10% das questões não deveria se formar”, disse o ministro, acrescentando que alunos cuja faixa de respostas corretas fica entre 0 e 20% fazem o exame para “sabotar” o sistema. “Fez a prova fazendo graça. É ruim pra sociedade porque a gente não tem um bom termômetro da temperatura do ensino superior”, prosseguiu, na entrevista para divulgar o resultados do Enade do ano passado.

Weitraub declarou que as ideias serão debatidas no Congresso Nacional antes da implementação. Hoje, o exame é obrigatório ao aluno, sob pena de atraso da colação de grau, mas não há sanções referentes ao desempenho. Na avaliação do ministro, isso aumenta o número de provas entregues em branco.

Medidas de reforço positivo também estão sendo estudadas pela pasta. Alexandre Lopes, presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), falou em divulgar os nomes e a faixa de acertos dos estudantes que obtiverem bom desempenho. Atualmente, só os próprios alunos têm acesso às notas.

Seguindo a mesma linha punitiva na educação, mas no ciclo básico, Jair Bolsonaro abordou o programa de escolas cívico-militares em sua live de quinta-feira, 3. “Moleque na sala de aula não vai ficar mexendo no celular. Se fizer, vai ter sanção. Ele vai ter que respeitar o professor, o ambiente. Não vai ter brincadeirinha”, declarou. Uma de suas promessas de campanha, o programa entra em nova fase de implementação nesta sexta-feira, 4.