Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Adiada votação do acordo de Alcântara

Equipe BR Político

Após um pedido de vista da oposição, a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional (Creden) adiou a votação do acordo de salvaguardas tecnológicas (AST) entre o Brasil e os Estados Unidos sobre o uso comercial da Base de Alcântara, no Maranhão. O texto final do relator, deputado Hildo Rocha (MDB-MA), favorável à proposta, deve voltar à pauta na semana que vem.

O presidente do colegiado, deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), não vê a hora de o acordo ser aprovado, ainda mais que a aprovação da matéria foi uma das tarefas que o parlamentar recebeu do pai, o presidente Jair Bolsonaro, antes de ser indicado para a embaixada do Brasil em Washington (EUA). No início do mês, o Bolsonaro cobrou a aprovação da questão. “Este acordo está embolado por sua possível nomeação como embaixador”, afirmou a deputada Pérpetua Almeida (PCdoB-MA), informa o Estadão. Nesta tarde de terça, 13, Eduardo escreveu que se o texto não for aprovado, o Brasil estaria colocando sua soberania “em risco”. O candidato a embaixador do EUA desabafou: “Chega de burrice, atraso e preconceito com os EUA”. E apelou para a solidariedade: “Olhemos p/ o sofrido nordeste!”.

 

Tudo o que sabemos sobre:

AlcântaraEduardo Bolsonaro