Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Administrativa empacou antes dos ‘parasitas’

Vera Magalhães

O Palácio do Planalto está usando como pretexto para Jair Bolsonaro ter sustado o envio da reforma administrativa ao Congresso a frase do ministro Paulo Guedes na semana passada comparando servidores públicos a “parasitas“, mas o fato é que ela já estava empacada antes disso.

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

No início da semana passada, Guedes estava confiante que a reforma enfim deslancharia. Havia conseguido contornar a insegurança que Bolsonaro demonstrava na medida no ano passado, quando a segurou pela primeira vez, demonstrando que havia adesão de parcela significativa à ideia da reforma e que ela só mexeria nos servidores que ingressassem no serviço público.

Combatia, assim, um pesado lobby contra a medida, capitaneado pelo agora transferido Onyx Lorenzoni, então na Casa Civil, e o secretário-geral da Presidência, Jorge Oliveira, que tem sido cada vez mais influente na tomada de decisões de Bolsonaro.

Mas quando o texto chegou ao Planalto começou a enfrentar novas resistências das mesmas áreas, que começaram a escrutiná-lo com lupa e a querer desidratá-lo. A perspectiva de que o envio se desse ainda naquela semana começou a parecer irrealista antes mesmo da frase desastrosa do ministro, e a reforma subiu ao telhado desde quarta-feira, dois dias antes do destempero verbal.

Assim, diante da nova frase absurda de Guedes, desta vez dizendo que empregadas domésticas estavam indo à Disney graças ao câmbio depreciado, esses adversários da administrativa apenas ganharam argumentos para mostrar a Bolsonaro que, politicamente, ele precisava se distanciar das posições “antipovo” do ministro da Economia, o que ele fez com a declaração de que, “como cidadão”, acha mesmo o dólar um pouco salgado.

Diante do “nós avisamos” da tropa anti-Guedes do Planalto, agora desfalcada de Onyx, Guedes voltou algumas casas no trabalho que vinha fazendo junto ao chefe para convencê-lo de que não há mais tempo para adiar as reformas.