Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Ainda sem contratos firmados, Pazuello prevê receber 24,5 mi de vacinas em janeiro

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Mesmo sem nenhum contrato de compra firmado com empresas e laboratórios, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou nesta quinta-feira, 17, em audiência no Senado, que o governo federal prevê receber 24,5 milhões de doses de vacinas contra a covid-19 em janeiro. Destas, 9 milhões são da Coronavac, imunizante desenvolvido pelo Instituto Butantã em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac.

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Foto: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

“Estamos falando, em janeiro, de 500 mil doses da Pfizer, 9 milhões de doses do Butantan e 15 milhões a AstraZeneca. A data exata é o mês de janeiro. Pode ser 18, 20 de janeiro. Mas se nós pudermos compreender que o processo vai nos dar a data (…) já nos dá um novo desenho. Isso tudo dependendo do registro da Anvisa”, disse.

Ontem, em entrevista após a cerimônia de lançamento do Plano Nacional de Imunização, Pazuello deu uma nova estimativa para início da vacinação no País: “meados de fevereiro”.

Vanguarda

Ainda que o País não tenha dado uma data certeira para o início da vacinação, enquanto outros países do mundo já iniciaram suas campanhas, Pazuello afirmou que o Brasil não está atrasado, mas sim na “vanguarda” do planejamento de vacinação.

“É preciso compreender que o está acontecendo lá fora no mundo, nós estamos na vanguarda. A autorização de uso emergencial da Pfizer americana, a primeira autorização foi na Inglaterra tem 15 dias. Não são três meses. A americana foi agora, na semana passada. Os números são ínfimos em relação à população americana, como é o uso emergencial”, declarou.

Tudo o que sabemos sobre:

Eduardo PazuellovacinaCovid-19vanguarda