Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Alerj exonera Botto Maia e funcionário ligado a fraude de ponto no caso Queiroz

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) exonerou nesta terça, 23, um advogado que teria ajudado a fraudar a folha de ponto de uma ex-assessora fantasma, segundo o Ministério Público estadual, para encobrir evidências do crime de rachadinha com ajuda do ex-assessor Fabrício Queiroz. É o ex-advogado do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Luis Gustavo Botto Maia, empregado até então no gabinete do deputado Renato Zaca (sem partido) e investigado pelo MP. Ontem, a exoneração publicada no Diário Oficial foi de Matheus Coutinho, funcionário do Departamento de Legislação Pessoal, que administra os pontos dos gabinetes da Casa.

Encontro em Minas. Botto Maia e mãe de miliciano se reuniram com mulher de Queiroz

Encontro em Minas. Botto Maia e mãe de miliciano se reuniram com mulher de Queiroz Foto: MPRJ/Divulgação

Botto Maia teria atuado para fraudar o ponto de Luiza Souza Paes, ex-assessora de Flávio quando ele era deputado estadual, que só compareceu ao Palácio Tiradentes em três ocasiões em 792 dias entre 2014 e 2017. Por meio das mensagens entre Luiza e o pai, a investigação aponta que ela combinou com o servidor da Alerj Matheus Coutinho de assinar o ponto retroativo no dia 24 de janeiro de 2019. Com orientações de Queiroz, o contato se deu por intermédio de Botto Maia e pela assessora Alessandra Esteves Marins, funcionária de Flávio. Segundo o MP-RJ, Luiza fez repasses de R$ 155 mil para Queiroz entre 2016 e 2017. Queiroz, por sua vez, recebeu cerca de R$ 2 milhões no esquema, sendo grande parte em dinheiro em espécie, segundo o MP.