Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Alheios a Lula, governadores de esquerda debatem com FHC

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

A discussão sobre a necessidade de criação de uma frente democrática ampla, da centro-direita à esquerda, que foi criticada por Lula na segunda-feira, terá no próximo sábado um passo significativo: num debate virtual promovido pelo Fórum pela Democracia, estarão reunidos o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), o ex-ministro do STF Nelson Jobim e dois expoentes de peso da esquerda: os governadores Flávio Dino (PC do B-MA) e Camilo Santana (PT-CE).

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso Foto: Gabriela Biló/Estadão

Os governadores demonstram, assim, caminhar por uma alameda diferente da do eterno chefão petista, que disse que não é “maria vai com as outras” para fazer parte de uma frente ampla que não seja liderada pelo PT. Recebeu críticas até de parlamentares de partidos de esquerda que costumam ser condescendentes com tudo que Lula diz.

Desta vez, a live tem um significado simbólico, por unir dois dos principais governadores do campo até aqui liderado pelo PT, um deles do próprio partido, a FHC, símbolo que o lulopetismo fez de tudo para destruir nos tempos de popularidade.

O fato é que os manifestos contra Jair Bolsonaro e a favor da democracia tiveram o condão de fazer com que as conversas para a criação da tal frente avançassem. Não se tem muita esperança de que ela será embrião de uma união também nas eleições, mas o que se quer é que ajude a tirar o Congresso da inércia em que se encontra diante das investidas de Bolsonaro contra as instituições. Daí porque a presença de Maia no debate também tem um peso simbólico grande.