Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Aliados confirmam milícia digital bolsonarista

Vera Magalhães

Dois deputados federais do PSL da ala hoje mais próxima ao presidente do partido, Luciano Bivar, apontaram em entrevistas nesta segunda-feira a existência de uma milícia virtual que utilizaria perfis fakes e robôs para ataques coordenados a desafetos do presidente Jair Bolsonaro.

No programa Roda Viva, da TV Cultura, a ex-líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann, disse que há assessores de deputados e pessoas próximas aos filhos de Bolsonaro que integram a milícia –que foi objeto de recente reportagem de capa da revista Crusoé. “Quanto você tem assessor de deputado, pago por dinheiro público, fazendo memes e ataques virulentos, sendo bancado com dinheiro público, não parece que isso passe perto da moralidade”, disse. A deputada disse que está mapeando esses perfis, que ela suspeita serem próximos a Carlos e Eduardo Bolsonaro.

O deputado Julian Lemos (PSL-PB), um dos mais próximos aliados de Bolsonaro durante a campanha, mas que depois caiu em desgraça com os filhos, disse em entrevista à Jovem Pan que um dos coordenadores da milícia virtual é o assessor da Presidência Tercio Arnaud Tomaz, que também atuou na campanha de Bolsonaro e foi assessor de Carlos na Câmara do Rio. Tercio é um dos integrantes do chamado “gabinete do ódio”, maneira pela qual ministros e assessores se referem ao núcleo mais ideológico que comanda a estratégia de redes sociais de Bolsonaro e aconselha o presidente.