Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Aliança pelo Brasil e a ultradireita

Equipe BR Político

A depender das ambições presentes em seu manifesto e do histórico dos membros fundadores, a Aliança pelo Brasil deverá ser um partido que aglutna o radicalismo da ultradireita.
Em artigo na Folha, nesta quarta-feira, 13, Bruno Boghossian escreve que o partido que o presidente Jair Bolsonaro quer criar reúne características que remontam à Arena, sigla que deu sustentação ao regime militar, ao espanhol Vox e ao alemão AfD. Em comum, o futuro partido de Bolsonaro compartilha com os estrangeiros os valores reacionários, o populismo e no personalismo.
“A aparente espinha dorsal da Aliança pelo Brasil coube numa sequência de publicações de Eduardo Bolsonaro. Na primeira frase, o deputado anuncia a criação da sigla com o objetivo de libertar a população “da destruição de valores cristãos e morais”. Em poucas linhas, ele repete essa fórmula e encerra com um resumo dos princípios do novo partido: “fé, honestidade e família”, escreveu o colunista.
O grupo que migrar para a nova legenda ao lado dos Bolsonaro também dará o tom do que virá a ser a Aliança pelo Brasil. Se apenas os mais fiéis seguirem o líder, haverá espaço para posições mais extremadas.
E se depender do presidente do PSL, Luciano Bivar, não devem ficar resquícios bolsonaristas na legenda. Em reuniões nos últimos dias, a cúpula decidiu acelerar os processos de suspensão de 19 deputados, entre os quais o atual líder na Câmara, Eduardo Bolsonaro (SP), segundo a Folha.