Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Aliança pelo Brasil terá ‘difícil’ corrida contra o tempo, admite Bolsonaro

Equipe BR Político

Quase um mês depois de ter lançado a Aliança pelo Brasil, o presidente Jair Bolsonaro reconheceu nesta quarta-feira, 18, que “pelo jeito”, para oficializar a criação do partido, a coleta de assinaturas terá de ser feita manualmente. Ele admitiu que assim fica muito difícil conseguir a criação da legenda antes de abril, a tempo das eleições municipais de 2020.

“Pelo jeito vai ter de recolher assinatura no braço. Se for no braço, vai ser difícil de fazer para março o partido. Muito difícil”, disse Bolsonaro a apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada. Anteriormente, no mesmo dia em que o partido foi lançado, o presidente já havia falado sobre a possibilidade da Aliança pelo Brasil ficar fora do pleito.

O Aliança pelo Brasil anunciou, no último domingo no Twitter, que começará nesta semana a coleta de assinaturas para sua fundação. Nesse processo, Bolsonaro e sua turma devem contar com apoio de líderes evangélicos como o presidente da Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab), bispo Robson Rodovalho, e o presidente da Frente Parlamentar Evangélica, Silas Câmara (Republicanos-AM). Entidades militares também devem ajudar na missão, segundo o Globo.