Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Alinhado com Guedes e Moro, Maia pode ignorar Bolsonaro

Marcelo de Moraes

Depois da sequência de trombadas com Jair Bolsonaro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, parece ter encontrado um atalho político para fazer com que a agenda das reformas não emperre. Ao intensificar a interlocução com o ministro da Economia, Paulo Guedes, ele pode destravar a reforma da Previdência e outros itens da pauta econômica que transitam pela Câmara, como a reforma tributária, por exemplo. Recuperando a relação com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e dando uma tramitação mais rápida para o pacote anticrime, ele acaba com a impressão de que estaria contra a proposta, que combate corrupção e crime organizado, garantindo maior respaldo da opinião pública.

E aí sobra o relacionamento com o presidente. Se depender de Maia, não haverá atritos e a relação será institucional. Se Bolsonaro ajudar na reforma, tanto melhor. Se suas declarações criarem ruído, a ideia inicial é ignorá-las e tocar as propostas na Câmara afinado com Guedes, que passaria a ser o grande patrocinador da reforma dentro do governo. Em tese, o movimento pode funcionar. Mas, obviamente, dependerá de como o Planalto vai agir. /M.M.

Tudo o que sabemos sobre:

reforma da previdênciaRodrigo Maia