Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Anvisa restringe exportação de mais um remédio em estudo para coronavírus

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Assim como o governo havia definido para a cloroquina e a hidroxicloroquina, a Anvisa restringiu nesta terça-feira, 14, também a exportação de ivermectina, medicamento usado no combate a pulgas e piolhos, que é estudado como tratamento da covid-19. Em edição da portaria originalmente publicada em 20 de março que restringia a venda ao mercado externo dos dois medicamentos em que o presidente Jair Bolsonaro aposta suas fichas para a cura do coronavírus, a agência proibiu a exportação sem autorização prévia de oito anestésicos e relaxantes musculares, além da ivermectina. Em 25 de março, a Anvisa já havia incluído na lista o antibiótico azitromicina, que tem sido usado fora do país associado à hidroxicloroquina no tratamento do coronavírus.

Além da cloroquina e hidroxicloroquina, agência restringiu também exportação de ivermectina, que é estudado como tratamento da covid-19

Além da cloroquina e hidroxicloroquina, agência restringiu também exportação de ivermectina, que é estudado como tratamento da covid-19 Foto: Helena Pontes/Agência IBGE Notícias

O presidente da agência, Antônio Barra Torres, que é relator do processo que incluiu os medicamentos justificou seu voto pela inclusão dizendo que “evidências científicas” sobre o “potencial uso” da ivermectina estão sendo “geradas e publicadas”. Segundo Torres, os outros medicamentos da lista são prioritários às unidades de terapia intensiva.

Os estudos com o medicamento ainda estão em fase preliminar. Em uma pesquisa feita na Austrália em laboratório, o resultado em células controladas foi eficaz contra o coronavírus, mas o tratamento ainda não foi testado em seres humanos e pesquisadores não sabem qual dosagem pode ser usada no tratamento. O medicamento já foi eficaz em testes in vitro contra outros vírus, como os que causam o HIV, dengue, gripe e Zika.