Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

As ‘verdades inconvenientes’ de Moro

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Um mês após deixar o governo, o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro segue atirando contra o Planalto. Em entrevista exclusiva para o Fantástico, na noite de domingo, 24, o ex-juiz citou uma série de “verdades inconvenientes” sobre a gestão do presidente Jair Bolsonaro, que demonstram a “falta de impulso do presidente” na pauta anticorrupção. Questionado sobre a postura silenciosa adotada durante a reunião ministerial de 22 de abril, Moro justificou que aquele “ambiente não era um ambiente muito favorável ao contraditório”.

O ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, no programa Fantástico

O ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, no programa Fantástico Foto: Reprodução/Fantástico

Veja abaixo a lista de “verdades inconvenientes” citada por Moro:

  • A transferência do Coaf do Ministério da Justiça: “Não houve um empenho do Planalto para que fosse mantido no âmbito do Ministério da Justiça”, disse;
  • Projeto anticrime: “Não houve, a meu ver, um apoio adequado por parte do Planalto”, afirmou;
  • Prisão após condenação em segunda instância: “Não houve uma palavra do presidente da República em apoio”, disse;
  • Interferência na Polícia Federal: “A meu ver, vem no âmbito de um contínuo. Em que eu via essa agenda anticorrupção ser cada vez mais esvaziada”, apontou;
  • Aproximação com o Centrão: “E, recentemente, vimos essas alianças, que são realizadas com políticos que não têm não um histórico, assim, totalmente positivo dentro da história da administração pública. É certo que é preciso ter alianças no parlamento pra conseguir aprovar projetos”, disse.