Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Assessoria diz que post sobre auxílio foi equívoco; Bolsonaro ainda discute o tema

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Duas horas depois de o ministro da Secretaria de Governo da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos, anunciar e apagar publicação no Twitter sobre a prorrogação do auxílio emergencial, a assessoria de imprensa da pasta afirmou que a postagem foi um “equívoco” e que os valores ainda estão sendo discutidos internamente pelo governo.

O presidente da Republica, Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, o secretário de Governo, general Luiz Eduardo Ramos e o ministro-chefe do GSI, Augusto Heleno

O presidente da República, Jair Bolsonaro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, o secretário de Governo, general Luiz Eduardo Ramos e o ministro-chefe do GSI, Augusto Heleno Foto: Dida Sampaio/Estadão

“O governo vai pagar três parcelas adicionais (de R$ 500, R$ 400 e R$ 300) do auxílio emergencial. A proposta faria o benefício chegar nesta ano a pelo menos R$ 229,5 bilhões. Isso é 53% de toda a transferência de renda já feita no programa Bolsa Família desde seu início, em 2004”, escreveu o ministro na mensagem, que foi apagada minutos depois.

Na manhã de hoje, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e alguns ministros para tratar da extensão do auxílio emergencial. Ao chegar ao Palácio do Planalto, Guimarães afirmou que os valores das novas parcelas serão discutidos no encontro.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Luiz Eduardo Ramosauxílio emergencial