Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Atacado por candidato, Padre Júlio Lancelotti recebe apoio de políticos

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Após ser xingado por um motoqueiro, o padre Júlio Lancelotti, que coordena a Pastoral do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo, registrou na terça-feira, 15, um boletim de ocorrência por ameaça. O ataque veio enquanto ele prestava atendimento a moradores de rua na Capital.

“Estava aqui na praça com os irmãos de rua e passou uma moto por aqui e o cara falou: ‘padre filho da puta que defende noia’. Depois dos ataques de alguns candidatos à Prefeitura contra mim, eu estou cada vez mais em risco. Então quero deixar claro, se me acontecer alguma coisa, se eu for atingido por alguém vocês sabem de quem é a culpa, de quem cobrar”, disse o religioso.

O ataque a que ele se refere veio do deputado estadual e pré-candidato à Prefeitura de São Paulo Arthur do Val (Patriota), conhecido pelo apelido de Mamãe Falei, que já se referiu ao padre como “cafetão da miséria”. Pelo Twitter, o parlamentar disse que “nunca ameaçou ninguém”.

Apoio nas redes

Após a divulgação do vídeo, Lancelotti recebeu apoio de diversas personalidades políticas e ficou entre os assuntos mais comentados das redes sociais.

“Minha solidariedade ao padre Julio Lancellotti, que faz um lindo trabalho junto as pessoas em situação de rua, e que tem sofrido diversos ataques nas redes sociais.”, escreveu no Twitter a candidata à prefeitura de Porto Alegre Manuela D’Ávila.

“Todo nosso apoio ao Padre Julio Lancellotti, um exemplo de solidariedade e integridade, que vem sofrendo sérias ameaças após declarações irresponsáveis do oportunista Arthur do Val, o desqualificado conhecido como Mamãe Falei”, disse o deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP).

“O ódio dirigido aos mais vulneráveis e quem a eles dá apoio infelizmente vem aumentando. Toda minha solidariedade e apoio ao Padre Júlio, que merece ser indicado ao prêmio Dom Paulo Evaristo Arns”, escreveu o vereador Eduardo Suplicy (PT-SP).

“Declaro minha inteira solidariedade ao padre Júlio Lancellotti, cuja vida é ameaçada, segundo parece, por forças políticas reacionárias, violentas e contrárias ao trabalho social que o padre Júlio desenvolve no bairro da Mooca, em São Paulo, onde assiste os abandonados”, escreveu o líder do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PR).

“Todo meu apoio e solidariedade ao padre Júlio Lancellotti, lutador incansável em defesa do povo de rua. Ele está sendo ameaçado por trogloditas de extrema-direita que odeiam seu trabalho indispensável junto a essa população vulnerável”, declarou a deputada federal Sâmia Bonfim (PSOL-SP).