Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Atuação de Covas na pandemia é aprovada por 54%

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

A atuação do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), diante da pandemia do novo coronavírus é aprovada por 54% dos paulistanos e reprovada por 40%, a soma dos que não sabem ou não responderam é de 6%, segundo pesquisa Ibope feita em parceria com o Estadão e a Associação Comercial de São Paulo (ACSP). A cidade foi o primeiro epicentro da covid-19 no País.

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas Foto: Daniel Teixeira/Estadão

A atuação fora da pandemia também foi avaliada. Nos últimos seis meses, o prefeito, que é candidato à reeleição, viu a avaliação positiva de sua administração subir oito pontos porcentuais. A parcela da população que considera a administração boa ou ótima passou de 20% para 28%, enquanto as de ruim/péssimo caíram de 32% para 28%.

O levantamento também mediu a aprovação do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e do presidente Jair Bolsonaro entre os moradores da maior cidade do País.

A administração de Doria é avaliada negativamente por 39% dos entrevistados, enquanto 37% veem como regular, 23% como positiva e 1% não sabem ou não responderam.

No caso de Bolsonaro, a administração é considerada ruim ou péssima por quase metade dos moradores da Capital. Segundo a pesquisa, 27% dos paulistanos consideram o governo do presidente bom ou ótimo, 24% o veem como regular e 47% optam pelos conceitos ruim ou péssimo. Há seis meses, essas taxas eram de 25%, 26% e 48%, respectivamente.

Desde março, quando começou a pandemia e foi feita a primeira pesquisa da parceria Ibope/ACSP/Estadão, tanto Covas quanto Doria tiveram melhora na avaliação de suas gestões por parte dos paulistanos. Isso não aconteceu em relação ao governo Bolsonaro, que continua com praticamente as mesmas taxas.

O Ibope entrevistou 1.001 eleitores da capital, entre os dias 15 e 17 de setembro. A margem de erro é de três pontos porcentuais para mais ou para menos. O levantamento foi registrado no Tribunal Regional Eleitoral sob o protocolo n.º SP-04089/2020.