Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Baleia: ‘MDB precisa se reforçar como partido de Centro’

Marcelo de Moraes

No próximo domingo, o líder do MDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), será eleito como novo presidente nacional do partido, sucedendo o ex-senador Romero Jucá (RR). Famoso pelas divisões internas, o MDB chega a sua Convenção Nacional produzindo um raro consenso, fruto da freada de arrumação que o partido foi obrigado a dar depois de ver sua bancada encolher na Câmara dos Deputados nas últimas eleições.

O deputado Baleia Rossi (MDB-SP)

O deputado Baleia Rossi (MDB-SP). Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Em entrevista ao BRPolítico, Baleia afirma que o partido precisa se renovar e se reconectar com a sociedade. Mas isso não significa romper com seu passado político histórico. Nessa sintonia com os novos tempos, o futuro presidente emedebista defende as reformas – ele é o autor da proposta de reforma tributária da Câmara – e o estabelecimento de um amplo programa de geração de empregos, abrindo frentes de trabalhos em parcerias com as prefeituras, para tentar reduzir o impacto social negativo desse problema. A seguir, os principais trechos da entrevista:

BRPolítico – Domingo, o senhor será eleito presidente do MDB. O que se pode esperar de sua gestão à frente da legenda?

Baleia – O principal é o MDB sair unido e renovado e com um olhar já para 2020, para as eleições municipais. Hoje, o MDB é o maior partido do Brasil em número de prefeitos, de vice-prefeitos, vereadores e no Senado. Nós temos esse desafio de dialogar, de fazer uma Comissão Executiva plural e que vai definir as bandeiras do partido, que tem uma história maravilhosa. E a nossa ideia não é fazer nenhum tipo de ruptura. Pelo contrário. Acho que temos de valorizar quem escreveu a história do partido até hoje.

BRP – O senhor assume num momento em que o MDB ainda se recupera do mau desempenho que teve na eleição passada e precisa preparar o partido para a eleição do próximo ano. Vai ter um “novo MDB”?

Baleia – Existe o MDB. Vamos valorizar quem tem voto. Porque a gente sabe que nas últimas eleições tivemos grandes dificuldades. Todos os partidos de Centro tiveram. O MDB precisa se reforçar como partido de Centro, que é sua característica. O MDB nasceu como um agrupamento de pessoas que questionavam um sistema autoritário. E precisa se reafirmar como o grande partido aglutinador do Centro. E nós estamos trazendo os três governadores do partido para a Executiva Nacional, assim como os quatro prefeitos de capitais, para exatamente buscar nessas experiências de quem já disputou o voto, de quem sabe como é a dificuldade de buscar a confiança da população, novas atitudes no partido.

BRP – Quais serão as principais bandeiras do MDB?

Baleia – Temos as bandeiras tradicionais do partido, mas também, como a sociedade mudou, temos de ter a capacidade de entender que os anseios também mudaram. Então, temos de ter um novo posicionamento do partido a partir de agora. Vamos ter essa resposta num processo de reconexão das lideranças partidárias com a nossa militância. O MDB é o partido que mais tem filiados no Brasil. É um partido que é municipalista. Acho que essa resposta não pode ser de cima para baixo. O primeiro desafio vai ser o de dar voz à nossa militância, reconectar as nossas lideranças, para exatamente definir o que o MDB vai defender a partir de agora. Não deixando de lado nossas bandeiras tradicionais do municipalismo, do direito à liberdade individual e à liberdade de imprensa, a defesa da democracia como único sistema capaz de dar voz a todos e essas novas bandeiras que vamos definir escutando nossa militância. Diferentemente do que outros fazem, não vamos impor nada de cima para baixo, queremos que a militância defina quais são as novas bandeiras do MDB.

BRP – Nesse momento, há algumas posições políticas muito claras no País, assumidas pelos dois grupos que chegaram ao segundo turno na eleição presidencial passada. O grupo do presidente Jair Bolsonaro se coloca claramente no campo da direita, enquanto os petistas se situam na esquerda. O senhor acha que colocar o MDB no Centro ajuda num momento em que a política parece cada vez mais radicalizado?

Baleia – O MDB tem uma história muito plural de ser o grande partido de Centro. Acho que a população busca sempre diálogo, equilíbrio, conversa, moderação e propostas que possam melhorar a vida das pessoas. Nosso intuito é esse. Sempre com foco na área social, porque ela é fundamental para melhorar a vida das pessoas. E, com esses princípios, a gente quer conseguir tocar e fazer um partido melhor. Quer ver um exemplo em que eu acho que o MDB pode contribuir. Sendo patrocinador da reforma trabalhista, já no governo do presidente Michel Temer, tendo proposto a reforma da Previdência, também no governo Temer, e agora, com a reforma tributária, na PEC 45, que eu tive o privilégio de apresentar, queremos sugerir que o governo possa criar um programa social de geração de empregos. Acho que hoje temos o Bolsa Família, que é um programa muito importante porque acaba dando atenção aos menos favorecidos, às pessoas realmente pobres. Mas, por exemplo, temos hoje 5.570 municípios. O governo federal poderia fazer um grande programa de geração de emprego com as prefeituras, em frentes de trabalho, que possam criar 1 milhão ou mais de empregos, para que as pessoas tenham uma esperança. Essa questão social é muito cara ao MDB. E acho que é absolutamente possível a gente defender no Parlamento um programa voltado para geração de empregos em parcerias com as prefeituras.