Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BB e consulado unidos para pagar a conta

Equipe BR Político

Depois que alguns patrocinadores abandonaram o barco, o Banco do Brasil e o consulado-geral do País em Nova York ajudaram a financiar a festa organizada em homenagem ao presidente Jair Bolsonaro pela Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos, que acontece no próximo dia 14. O banco vai arcar com US$ 12 mil (R$ 47,5 mil) para ter uma mesa com dez lugares no jantar de gala anual da entidade. À Folha, o banco informou que apoia os eventos da câmara para “estreitar o seu relacionamento negocial com investidores institucionais e empresas” e disse que sua mesa no jantar de Bolsonaro será reservada para “clientes estratégicos”.

Já o Ministério das Relações Exteriores, que afirmou ter pago US$ 10 mil (R$ 39,6 mil) por sua mesa, disse ter contribuído para o evento em outros anos. Segundo o Itamaraty, a “importante parceria” mantida com a câmara ajuda na “promoção dos interesses econômicos e comerciais brasileiros”. Por causa da homenagem a Bolsonaro, que foi escolhido como Pessoa do Ano pela entidade, o jantar tornou-se objeto de grande controvérsia e criou para a câmara de comércio embaraços com empresas, políticos e a elite nova-iorquina, segundo a publicação.