Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bebianno: Bolsonaro aprovou repasses para Bivar

Equipe BR Político

O ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, afirmou, em depoimento à Polícia Federal (PF), que o presidente Jair Bolsonaro chancelou, em 2018, um acordo para repassar 30% do fundo eleitoral do PSL (cerca de R$ 2,7 milhões) para o diretório do partido em Pernambuco. O ato fez parte de um acordo para que o então candidato ingressasse no partido. Segundo Bebianno, na época Bolsonaro negociava sua ida para o partido com o presidente nacional da legenda, Luciano Bivar, chefe do PSL em Pernambuco.

Segundo a Folha, em troca, Bolsonaro supostamente teria pedido para ficar com o poder de escolher o comando de todos os diretórios regionais, para evitar que candidatos vistos como mais à esquerda chefiassem a sigla nos Estados.

Bivar é suspeito de ter desviado esses recursos usando candidaturas femininas de fachada – esquema semelhante ao supostamente praticado pela legenda em Minas Gerais. Bebianno, que era presidente nacional do partido em 2018, afirmou que, apesar de os recursos para cada diretório estadual terem sido autorizados pelo comando nacional da sigla (sob sua administração), quem decidiu sobre as candidaturas nos Estados foram os comandos estaduais.

“Perguntado sobre quem seria o responsável pela definição das contas relativas aos fundos partidário e especial (eleitoral) para cada Estado e seu correlato repasse para os candidatos durante o processo eleitoral, (Bebianno) respondeu que na forma do acordo político celebrado entre Jair Bolsonaro, Luciano Bivar, Fernando Francischini (então deputado federal pelo Paraná e aliado de Bolsonaro), Antônio Rueda (braço-direito de Bivar), Eduardo Bolsonaro (filho do presidente) e o declarante, parte relevante do fundo eleitoral, em torno de 30%, seria destinado para o Estado de Pernambuco, estado original da fundação do PSL, e que os 70% restantes seriam distribuídos de acordo com o peso eleitoral de cada estado”, relata a transcrição do depoimento de Bebianno.