Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bolsonaristas temem delação de Queiroz

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

Aliados de Jair Bolsonaro demonstram preocupação com a possibilidade de Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flavio Bolsonaro e amigo próximo do presidente há mais de 25 anos, fazer delação premiada.

Esses auxiliares e apoiadores se queixam do cerco à mulher e à filha de Queiroz, que atribuem a uma estratégia do Ministério Público do Rio de Janeiro para desestabilizar o ex-faz tudo, que foi localizado escondido em um sítio de Frederick Wassef em Atibaia, no interior de São Paulo, e levá-lo a propor uma delação.

O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro Foto: Gabriela Biló/Estadão

Queiroz já deu demonstrações de instabilidade em entrevistas que concedeu antes de sumir de vez, nas quais se queixava de ter sido “abandonado” pela família Bolsonaro. De acordo com informações dos responsáveis pelo inquérito das rachadinhas, que levou à prisão temporária de Queiroz, ele estava há cerca de um ano morando na propriedade do advogado de Flávio Bolsonaro.

Fabricio não era o único da família Queiroz a ser mantido sob monitoramento da família e de aliados de Bolsonaro. Policiais militares do Rio de Janeiro ligados ao PSL “cuidam” de um dos filhos do ex-assessor, descrito também como um fio desencapado capaz de falar demais.