Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bolsonaro acaba com reuniões ministeriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O presidente Jair Bolsonaro informou nesta quarta-feira, 13, que não fará mais as reuniões interministeriais do chamado Conselho de Governo, que ocorrem quinzenalmente. O anúncio vem na esteira da instalação de um inquérito no Supremo para apurar as acusações do ex-ministro Sérgio Moro de que Bolsonaro queria interferir na PF. 

O vídeo da reunião do dia 22 de abril é apontado por Moro como prova das acusações. Segundo o presidente, a partir de agora, ele irá tratar individualmente com cada ministro. Na terça, o Conselho de Governo se reuniu no Palácio da Alvorada, mas, segundo o presidente, o encontro não foi gravado.

Reunião interministerial do dia 22 de abril

Reunião interministerial do dia 22 de abril Foto: Marcos Corrêa/PR

De acordo com o Estadão, investigadores que assistiram à gravação avaliaram que o conteúdo é “devastador” para o presidente. A defesa do ex-ministro, desde que assistiu ao vídeo, tem defendido sua divulgação na íntegra. A análise do pedido está nas mãos do ministro do STF Celso de Mello. 

“Eu decidi: não teremos mais reunião de ministros. Vou ter uma vez por mês, uma reunião de ministros de manhã, (hasteamento da) bandeira nacional, um café e liberar. O resto vou tratar individualmente com cada ministro. Para evitar esse tipo de problema”, disse Bolsonaro. Ele destacou que independentemente das reuniões quinzenais, recebe todos os dias seus auxiliares. “Não vai ser (reunião]) do Conselho. Vai ser um café da manhã, de 8h às 9h, bandeira nacional”, disse. “É bater um papo um olhar para cara do outro, trocar uma ideia, ‘tá ok’? E individualmente tratar uns assuntos ou outros. Mas é uma reunião mais de confraternização mensal de todos os ministros, 1h30 no máximo”, afirmou.