Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bolsonaro culpa divergências sobre empregos por ‘divórcio’ com Mandetta

Gustavo Zucchi

Exclusivo para assinantes

Jair Bolsonaro bateu na tecla de que divergências sobre a preservação de empregos em meio à pandemia de coronavírus foi essencial para o “divórcio consensual” entre ele e Henrique Mandetta, agora ex-ministro da Saúde. Em coletiva concedida logo após a confirmação da troca de comando na pasta, Bolsonaro disse que decidiu demitir Mandetta já que “a questão do emprego não estava sendo tratada” da forma que o presidente defende.

O presidente Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro Foto: Dida Sampaio/Estadão

“Não critico nem condeno o Mandetta. Ele fez da forma que achou que deveria fazer”, afirmou. “Conversei com Nelson Teich (novo ministro da Saúde) para que ele entenda que temos outros problemas”, explicou. Teich, por sua vez, já havia sinalizado que acredita que Economia e Saúde devem caminhar juntas durante como forma se solução para crise. Em texto publicado nas redes sociais Tech disse que “esse tipo de problema (a polarização entre Saúde e Economia) é desastroso porque trata estratégias complementares e sinérgicas como se fossem antagônicas”.