Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Bolsonaro diz que coronavac ‘não será comprada’ pelo governo

Cassia Miranda

Um dia depois de o Ministério da Saúde anunciar a compra de 46 milhões de doses da coronavac, vacina que está sendo testada contra a covid-19, produzida pelo laboratório chinês Sinovac Biotech e testada no Brasil pelo Instituto Butantan, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta-feira, 21, que o imunizante “não será comprado” pelo governo brasileiro.

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Gabriela Biló/Estadão

O comentário foi publicado pelo presidente no Facebook, em resposta à crítica de um seguidor, que escreveu: “Presidente, a China é uma ditadura, não compre essa vacina, por favor. Eu só tenho 17 anos e quero ter um futuro, mas sem interferência da ditadura chinesa”. Na sequência, em letras garrafais, Bolsonaro respondeu: “Não será comprada”.

O anúncio foi feito na terça-feira, 20, após reunião entre o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e os governadores. A compra só será realizada após a vacina receber um registro da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

No jogo político pela vacina, a coronavac tem sido associada ao governador de São Paulo, João Doria (PSDB), que ontem elogiou Pazuello pela decisão de comprar as doses do imunizante. Ex-aliado de Bolsonaro, Doria aumentou suas críticas ao Planalto durante a pandemia.

Reprodução: Facebook