Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bolsonaro faz cobrança a banco do Brics

Equipe BR Político

O presidente Jair Bolsonaro fez uma cobrança pública durante a cúpula do Brics que acabou nesta quarta-feira, 14, em relação aos investimentos do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), conhecido como banco do Brics, ao Brasil. O País é o que menos obteve empréstimos aprovados porcentualmente pelo banco desde 2016, como você leu no BRP. De acordo com dados da instituição, o Brasil teve US$ 1,4 bilhão em projetos aprovados, a Rússia recebeu US$ 1,7 bilhão, a Índia, bilhões e a China, US$ 3,8 bilhões.

“Números mostram que é preciso trabalhar juntos para superar o desequilíbrio em desfavor do Brasil na carteira de financiamentos do NDB”, afirmou Bolsonaro. A cobrança ocorreu durante sessão dos líderes do bloco com representantes do conselho de empresários do Brics e do banco, que no ano que vem será presidido por indicado pelo Brasil.

O NDB tem sede principal em Xangai, na China, onde a direção analisa e aprova os projetos, e uma regional em Joanesburgo, na África do Sul. O escritório no Brasil, que deveria ter sido inaugurado em São Paulo na época do evento da cúpula no País, ainda não saiu do papel.

Na véspera do início da cúpula, o presidente do banco, Kundapur Vaman Kamath, afirmou que a instituição está comprometida a apoiar investimentos na agenda de infraestrutura no Brasil. A declaração do presidente à Reuters ocorreu depois da aprovação de um empréstimo de US$ 500 milhões pelo banco para o programa administrado pelo BNDES Fundo Clima, como você leu no BRP. Também na véspera do evento, o banco havia aprovado o primeiro empréstimo a um parceiro privado no Brasil, de US$ 300 milhões, para a Vale, em um projeto de expansão de infraestrutura de transportes nas regiões Norte e Nordeste. 

Tudo o que sabemos sobre:

bricsEconomiaJair Bolsonaro