Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Bolsonaro, GSI, Abin e defesa de Flávio se reuniram para falar de rachadinhas

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Em agosto, defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) acionou o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) para apresentação de supostas “irregularidades das informações constantes de Relatórios de Investigação Fiscal” contra o parlamentar. O motivo seria que os documentos “diferiam, em muito, das características, do conteúdo e da forma dos mesmos Relatórios elaborados em outros casos”, conforme revelou a revista Época e confirmou o Estadão.

Desde julho de 2018, Flávio é investigado pelo Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) por suspeita de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa revelada em relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). O trabalho identificou “movimentações financeiras atípicas” de 75 assessores ou ex-assessores de deputados estaduais do Rio.

Fabrício Queiroz, assessor de Flávio quando o filho do presidente era deputado estadual fluminense, foi um dos citados. Ele movimentou R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017. A quantia era incompatível com a renda dele. O MP suspeita que Queiroz operava, a mando de Flávio, um esquema de “rachadinha”. Ou seja, ele recolheria a maior parte dos salários dos colegas de gabinete, para repassá-lo ao filho  do presidente.

O assunto foi tema de reunião realizada no dia 25 de agosto entre o presidente Jair Bolsonaro, advogados do filho, o ministro do GSI, Augusto Heleno, e o diretor da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem.

Segundo nota da defesa de Flávio enviada à revista, “registre-se, finalmente, que o fato foi levado diretamente ao GSI por ter sido praticado contra membro da família do Senhor Presidente da República”.

Tudo o que sabemos sobre:

Flávio BolsonaroAbinGSIrachadinhaMP-RJ