Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Bolsonaro joga 13º do Bolsa Família nas costas de Maia

Gustavo Zucchi

Exclusivo para assinantes

O presidente Jair Bolsonaro, em plena campanha por Arthur Lira (PP-AL) para presidência da Câmara, atacou Rodrigo Maia (DEM-RJ). Em sua transmissão nas redes sociais, Bolsonaro culpou Maia pelo não pagamento do 13º do Bolsa Família em 2020. “Não teve 13º porque o presidente da Câmara deixou  a medida provisória caducar. Vai cobrar o presidente da Câmara”, disse o atual ocupante do Palácio do Planalto.

A informação não é verdadeira. A MP do governo previa o pagamento apenas no ano passado. O relator do texto no Congresso, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), fez alterações para que o benefício fosse permanente. O próprio governo Bolsonaro trabalhou contra a aprovação do texto, já que a previsão era ter este gasto apenas em 2019.

Rodrigo Maia, por sua vez, não deixou barato. O presidente da Câmara avisou que irá pautar para sessão nesta sexta-feira, 18, a MP 1000, que trata da prorrogação do auxílio emergencial. Ele quer incluir no texto o pagamento do 13º do Bolsa Família neste ano. “[A fala de Bolsonaro] é mentirosa; atitude quase criminosa”, disse segundo o Broadcast Político. “Espero que o Senado coloque em votação a medida do auxílio e do Bolsa Família na segunda-feira.”

O governo também não defende que essa MP seja pautada. Com validade de 120 dias, ela não precisa ser votada para que o pagamento do auxílio emergencial seja realizado. A oposição, entretanto, pede há meses que essa medida seja votada, para poder assim ser modificada e, possivelmente, ampliar o benefício.