Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bolsonaro pediu e Moro acatou questão de ‘armar a população’

Gustavo Zucchi

Exclusivo para assinantes

Uma das exigências de Jair Bolsonaro feitas a Sérgio Moro na reunião ministerial do dia 22 de abril se concretizou. No dia seguinte ao encontro, que teve sua íntegra divulgada nesta sexta-feira, 22 de maio, o Ministério da Justiça publicou no Diário Oficial da União uma portaria que permitia aumentar o limite de compra de munição para quem possui arma de fogo registrada. Civis poderiam comprar até 300 unidades de munição esportiva para calibre 22 em apenas um mês. Portaria anterior limitava a compra a 600 por ano.

O presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro

O presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro Foto: Gabriela Biló/Estadão

Na reunião, Bolsonaro deixou claro que queria “todo mundo armado” para combater a “ditadura” de prefeitos e governadores e suas medidas de isolamento social contra o coronavírus. “Eu quero, ministro da Justiça e ministro da Defesa, que o povo se arme! Que é a garantia que não vai ter um filho da puta aparecer pra impor uma ditadura aqui! Que é fácil impor uma ditadura! Facílimo! Um bosta de um prefeito faz um bosta de um decreto, algema, e deixa todo mundo dentro de casa. Se tivesse armado, ia pra rua”, disse Bolsonaro. Além de Moro, também assina a determinação o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.