Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bolsonaro reconhece que transcrição de reunião feita pela AGU está correta

Cassia Miranda

Exclusivo para assinantes

O presidente Jair Bolsonaro reconheceu, na manhã desta sexta-feira, 15, que a transcrição feita pela Advocacia-Geral da União (AGU) do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril está correta. Em manifestação encaminhada na noite de ontem ao STF, a AGU afirma que Bolsonaro citou as palavras “família” e “PF” em reunião.

O presidente Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução/Facebook

O presidente ainda voltou a dizer que os comentários se referem a questões de segurança física e familiar, não de inteligência. Disse também que “é óbvio” que estava falando do Gabinete de Segurança Institucional (GSI).

Bastante irritado, ao ser questionado por jornalistas em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro repetiu que não citou a Polícia Federal, assim como havia feito na última quarta.  “Tá a palavra PF, duas letras, PF”, disse, ao negar ter  se referido à corporação. “Tem a ver com a Polícia Federal, mas é reclamação PF no tocante ao serviço de inteligência”, justificou.

À medida que os jornalistas perguntavam, a irritação do presidente aumentava. Ele chegou a ameaçar deixar a entrevista se “alguma pergunta tendenciosa” fosse feita. “Eu não vou me submeter a um interrogatório por parte de vocês (imprensa). Eu espero que a fita se torne pública para que a análise correta venha a ser feita. A interferência não é nesse contexto da inteligência, não. É na segurança familiar. É bem claro, segurança familiar. Eu não toco PF na palavra nem Polícia Federal na palavra segurança”, disse.

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Sexta-feira, 15 de maio de 2020