Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bolsonaro segura veto ao reajuste para atender PRF

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O presidente Jair Bolsonaro indicou, na manhã desta sexta-feira, 22, o motivo para ainda não ter sancionado o projeto de socorro aos Estados e municípios, com veto ao trecho que autoriza reajustes para servidores públicos até 2021. Ontem, em reunião virtual com os 27 governadores, o presidente fechou acordo para liberar a ajuda financeira “o mais rápido possível”.

O presidente Jair Bolsonaro na manhã desta sexta

O presidente Jair Bolsonaro na manhã desta sexta Foto: Reprodução/Facebook

A intenção é viabilizar a contratação de 600 aprovados em concurso da Polícia Rodoviária Federal (PRF) antes de vetar o trecho do projeto que inviabiliza reajuste salarial e contratações até 2o21.

Em conversa com um grupo de apoiadores que o aguardavam em frente ao Palácio da Alvorada, Bolsonaro assinalou que não assinou o projeto porque tenta resolver a situação dos aprovados no concurso de 2018. No entanto, segundo Bolsonaro, “de acordo com o edital, tem um limite de pessoas para botar e o limite é 180”, disse a uma apoiadora. O comentário foi feito a um grupo que usava camisetas amarelas com a frase: “Somos 600 aprovados no concurso da PRF”.

Bolsonaro indicou que o grupo marcasse uma reunião ainda para a manhã de hoje com o ministro-chefe da Secretaria de Governo, Jorge Oliveira,  e com o titular da Justiça, ministro André Mendonça, para discutir aspectos jurídicos relacionados ao caso. Se o veto a reajustes salariais e novas contratações for feito, o chamamento dos “600 aprovados” não poderá mais ocorrer.

Uma mulher insistiu com o presidente de que “no final das contas, a decisão é somente do senhor”. Como resposta, ouvir Bolsonaro dizer que não pode contrariar certas regras, pois isso traz risco de incorrer em crime de responsabilidade. “Mas se eu puder, assino embaixo”, disse o presidente.

Publicado por Jair Messias Bolsonaro em Sexta-feira, 22 de maio de 2020