Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Bolsonaro sem falar com apoiadores no Alvorada após prisão de Queiroz

Vera Magalhães

Exclusivo para assinantes

Em um sinal de que a prisão de Fabrício Queiroz foi uma bomba de efeito maior até que as últimas decisões do Supremo Tribunal Federal, Jair Bolsonaro passou reto pelo cercadinho de apoiadores em frente ao Palácio da Alvorada e não deu sua tradicional “paradinha” para conversar.

Presidente Jair Bolsonaro. Foto: Gabriela Biló/Estadão

Além da prisão de Queiroz, a polícia cumpre outras determinações da Justiça do Rio. Houve diligência e busca e apreensão no escritório político da família Bolsonaro em Bento Gonçalves, no Rio, e agora foi autorizada a prisão de Márcia Oliveira de Aguiar, mulher do ex-assessor parlamentar de Flávio Bolsonaro.

Para piorar o coquetel de más notícias para a família do presidente, Queiroz foi preso no sítio de Frederick Wassef, advogado de Flávio justamente no caso que investiga o ex-assessor. Wassef esteve nesta quarta-feira no Palácio do Planalto, circulando com desenvoltura na posse do novo ministro do novo ministério das Comunicações, o deputado do PSD e do Centrão Fabio Faria, que é ainda genro de Silvio Santos.

Queiroz estaria há cerca de um ano no sítio de Wassef em Atibaia — por ironia, a cidade em que fica o sítio que a Lava Jato atestou em sentença ser do ex-presidente Lula, embora esteja no nome de amigos da família. Nesse período, Wassef chegou a negar em entrevista à GloboNews que conhecesse o paradeiro de Queiroz. Isso pode fazer com que também o advogado seja processado por obstrução à Justiça.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

Jair BolsonaroFabrício Queiroz