Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Marcelo de Moraes

Bolsonaro vai ‘abandonar’ Mourão em disputa de 2022?

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Com uma relação que já apresentou desgastes em menos de dois anos de mandato, em 2022, para disputar a reeleição, o presidente Jair Bolsonaro não pretende ter o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB) como candidato a vice-presidente. A intenção foi verbalizada pelo presidente a três aliados, que relataram o conteúdo das conversas reservadas com Bolsonaro à Folha. Segundo eles, ainda há um problema de confiança da parte do presidente com o vice.

O vice-presidente, General Hamilton Mourão

O vice-presidente, General Hamilton Mourão Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Em entrevistas recentes, Mourão chegou a afirmar que está trabalhando para seguir como vice de Bolsonaro no próximo pleito. “Venho apoiando todas as iniciativas do presidente, venho procurando facilitar o caminho dele, sendo leal para todas as coisas que ele necessita”, disse à CNN Brasil, em setembro.  E completou: “Se ele desejar minha companhia para 2022, marcharemos de passo certo”. Ele também já afirmou que não pretende concorrer contra Bolsonaro.

Nas palavras de um dos aliados, Bolsonaro afirmou que é preciso encontrar uma solução para o posto de vice-presidente e acrescentou que Mourão de novo “não dá”, segundo os relatos ouvidos pela reportagem. Procurado pela Folha, Mourão não se manifestou.

Por ora, o presidente avalia duas alternativas: se conseguir viabilizar o Aliança pelo Brasil, Bolsonaro estuda convidar um candidato a vice-presidente que seja do Centrão, preferencialmente um evangélico. Além disso, o presidente tem se mostrado simpático a formar uma chapa com uma das ministras de seu próprio governo.

Populares na Esplanada dos Ministérios, a ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, é evangélica. Já a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, é considerada um nome estratégico por aliados do presidente. Ela ajudaria a fidelizar o apoio do setor do agronegócio, e a indicação atrairia o apoio do DEM, partido a que ela é filiada.