Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Brasil elege 20 pessoas trans para câmaras municipais

Cassia Miranda

Exclusivo para assinantes

Em 2020, o Brasil – país que mais mata transexuais e  travestis no mundo – bateu recorde na eleição de pessoas trans para as câmaras municipais. De acordo com levantamento da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), 20 pessoas trans foram eleitas para o Legislativo, sendo que cinco delas foram as mais votadas nos municípios em que disputaram, como é o caso da professora travesti Duda Salabert (PDT), em Belo Horizonte, e Linda Brasil (PSOL), em Aracaju.

Duda Salabert, vereadora mais votada em BH nestas eleições. Foto: Reprodução/Facebook

Ao todo, 294 travestis, mulheres transexuais e homens trans concorreram nas eleições municipais deste ano, um aumento de 150% em relação ao pleito de 2016, segundo a Antra, que realiza o monitoramento eleitoral desde 2014.

Entre as eleitas, 13 disputaram por partidos de esquerda (5 PSOL, 4 PT e 3 PDT), 5 pelo centro (Pros, Avante, MDB e PSDB) e 2 pela direita (PL e Democracia Cristã). Sendo um homem trans e as demais travestis e mulheres trans.

Na divisão por regiões, as pessoas trans eleitas estão localizadas em: Sudeste (15); Nordeste (2); Sul (2); e Norte (1).

Em São Paulo, Erika Hilton (PSOL) e Thammy Miranda (PL) se elegeram na sexta (50.508 votos) e nona posição (43.321 votos), respectivamente.