Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

‘Brasileiro compra cinismo de Bolsonaro em relação à pandemia’

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Em artigo no Estadão neste domingo, 16, a editora do BRPolítico Vera Magalhães afirma que a melhora de cinco pontos porcentuais na popularidade do presidente Jair Bolsonaro apontada pela última pesquisa Datafolha indica um “e daí?” coletivo da população diante das mortes causadas pelo novo coronavírus no País. Principalmente somando isso a outro levantamento, que indica que 47% isentam Bolsonaro de culpa em relação às mortes por covid-19.

O presidente Jair Bolsonaro na manhã desta quinta

O presidente Jair Bolsonaro na manhã desta quinta Foto: Alan Santos/PR

“A combinação explosiva entre o cansaço com a prolongada quarentena — e suas implicações econômicas, familiares, mentais, físicas e sociais —, um auxílio emergencial que aplaca o desespero dos mais necessitados e a absoluta falta de estratégia e de postura dos opositores do presidente da direita à esquerda produziram um efeito que os panelaços de março e abril e as ações do STF até junho não autorizavam supor: Bolsonaro emplacou, em algum grau, sua narrativa mentirosa de que não tem nada a ver com mais de 100 mil cadáveres sepultados em cinco meses”, escreve.

O texto também critica o vácuo deixado pela oposição em meio à pandemia no Brasil. A colunista compara o País com os EUA, onde políticos com divergências históricas e visões de mundo díspares, inclusive republicanos, se uniram para exigir que Donald Trump lidere a nação no combate e na busca de soluções diante da crise do novo coronavírus.

“Aqui, enquanto isso, petistas aproveitam a pandemia e o rompimento de Sérgio Moro com Bolsonaro para emplacar outra cascata, a do golpe contra Lula e Dilma, que só teriam plantado o bem enquanto estiveram no poder”, aponta. E conclui indicando que essa postura deixa Bolsonaro ainda mais à vontade fara fazer o que bem entende, com foco na reeleição.

 

Tudo o que sabemos sobre:

Jair BolsonarooposiçãopandemiaCovid-19