Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

Brics: Brasil estreita cooperação com a China

Equipe BR Político

Em meio à Cúpula dos Brics, que acontece a partir desta quarta-feira, 13, em Brasília, o País firmou acordos para cooperação no agronegócio com a China, além acordo para exportação e importação de frutas com o país asiático. Foram firmados também atos para trabalhos conjuntos nas áreas de investimentos, transporte, saúde, segurança, comunicações e agronegócio. No total, nove atos foram assinados.

Um dos acordos do agronegócio vale até 2023, e tem como objetivo a colaboração pragmática entre os países “nas áreas de políticas agrícolas; inovação científica e tecnológica; investimento agrícola; comércio agrícola; entre outras”, diz o Broadcast Político. O segundo acordo é um protocolo sanitário para que o Brasil importe peras da China, e exporte melão. Os chineses são os maiores consumidores mundiais da fruta.

As demais parcerias preveem cooperação entre Brasil e China nos campos de saúde, serviços, transporte, investimentos, e intercâmbio cultural. Também foi assinado um tratado para transferência de pessoas condenadas de um território para outro. Isso significa que, dependendo das condições, um brasileiro condenado na China poderá cumprir a pena determinada pelo Judiciário chinês no Brasil e vice-versa.

Os documentos foram firmados após reunião bilateral do presidente chinês, Xi Jinping, com o presidente Jair Bolsonaro (PSL), o segundo em menos de um mês. Como você leu no relatório Fique de Olho do BRP, o Brasil quer aproveitar a Cúpula dos Brics para avançar, sobretudo, nas agendas bilaterais com os países do bloco. Exportações de carne para a Rússia e contratos na área de construção civil com a África do Sul também estão no radar do governo.