Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Editorial do Estadão desta segunda-feira, 27, aborda as tentativas do senador Flávio Bolsonaro de encerrar as investigações sobre o suposto esquema de rachadinha que ocorria em seu gabinete na Alerj. “Desde que o País tomou conhecimento da escandalosa prática, há quase um ano e meio, esta foi a nona vez que Flávio Bolsonaro tentou impedir o avanço das investigações do chamado Caso Queiroz, que, em última análise, o afetam diretamente. Não obstante algumas decisões que lhe foram favoráveis no período, para o bem do decoro parlamentar, da moralidade pública e do viço da democracia representativa, as investidas do senador para obstar o devido esclarecimento de tão graves suspeitas não têm encontrado guarida no Poder Judiciário.”

Também trata sobre como os EUA estão, entre a politicagem e a técnica, tentando combater a pandemia do novo coronavírus. “No último dia 16, o presidente americano Donald Trump e sua equipe de saúde anunciaram as diretrizes federais para a condução da crise epidêmica. Embora a falta de detalhes abra margem a questionamentos, em linhas gerais a proposta está no compasso dos protocolos da OMS e das melhores práticas internacionais. Tanto que o fato nem sequer chamaria a atenção, não fosse o contraste com o histrionismo do presidente.”

Ainda em relação à convid-19, aborda a prudência do novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, em falar sobre possíveis mudanças nas eleições municipais. “Trata-se de uma atitude prudente. Se, no momento, as incertezas da pandemia não permitem assegurar com total certeza a realização das eleições nas datas inicialmente previstas – primeiro turno no dia 4 de outubro e segundo turno no dia 25 de outubro -, não faz sentido adiantar problemas e, menos ainda, agravá-los.”