Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Editorial do Estadão desta quinta-feira, 4, defende que as ruas são um espaço democrático e que por isso comportam manifestações pró e contra governo. “O presidente Jair Bolsonaro qualificou como “marginais” e “terroristas” os grupos que se denominam “antifascistas” e que foram às ruas no fim de semana passado para protestar contra seu governo. É assim que o presidente da República resolveu tratar movimentos que, a despeito das restrições impostas pela pandemia de covid-19, começam a sair de casa para expressar seu repúdio a ele e a seu sistemático desrespeito à democracia.”

Também cita o aparente esquecimento do presidente Jair Bolsonaro em relação às reformas prometidas por ele durante o período eleitoral. “Na campanha eleitoral de 2018, o então candidato Jair Bolsonaro prometeu realizar uma ampla agenda reformista e, em especial, muito falou sobre a necessidade de uma renovação da política. No entanto, uma vez no cargo, o presidente Bolsonaro esqueceu completamente o assunto. Até agora não houve nenhum movimento seu para promover a tão necessária reforma política.”

E defende a neutralidade das redes sociais. “A votação do Projeto de Lei 2.630/2020 sobre notícias falsas foi adiada, o que nos dá a oportunidade de evitar que mais uma ‘boa intenção’ redunde em erro. Os princípios originais da internet a definiram como uma estrutura única, abrangente, não excludente e sem um centro de controle. Os milhares de redes autônomas que a compõem aderiram espontaneamente ao adotarem seus princípios e seu protocolo de funcionamento. Parte importante dessa concepção está inscrita no Marco Civil da Internet, lei que é vista, internacionalmente, como exemplo de legislação para a internet.”