Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Nesta quinta-feira, 24, o Estadão faz uma análise da situação do coronavírus na cidade de São Paulo. “A Prefeitura de São Paulo realizou um inquérito sorológico sobre o novo coronavírus que pode ser de grande utilidade, tanto para avaliar de forma mais precisa a atual situação da pandemia na capital como para entender os efeitos dos diversos fatores sociais e urbanísticos na incidência e letalidade da doença. Se é certo que o enfrentamento da pandemia exige medidas imediatas, a covid-19 deve ser também ocasião para avaliar, sob uma perspectiva mais ampla, as implicações de médio e longo prazos das políticas públicas”, diz o jornal. “É preciso rever o planejamento urbano, sem tolerar práticas nocivas, que afetam especialmente a população mais carente”, explica.

A publicação também mostra preocupação com as consequências da política ambiental de Jair Bolsonaro. “Há uma ameaça real de retirada de investimentos estrangeiros no País caso o governo brasileiro não consiga deter o desmatamento e, desta vez, o presidente Jair Bolsonaro e membros de seu governo não poderão atribuir à desinformação – como fizeram outras vezes – as críticas feitas por 29 instituições financeiras de 8 países à maneira como a questão ambiental vem sendo tratada na esfera federal. Muitas dessas instituições (fundos, bancos e gestoras de investimento) aplicam quantias expressivas em empresas que atuam fortemente no Brasil em áreas diversas, especialmente a do agronegócio, e conhecem bem a situação ambiental do País. Em carta entregue a Embaixadas do Brasil em oito países, o grupo de instituições responsável por ativos estimados em US$ 3,75 trilhões afirma que ‘o desmantelamento de políticas ambientais e de direitos humanos” pelo governo Bolsonaro cria “incerteza generalizada sobre as condições de investir ou de prestar serviços’ no País e ameaça retirar seus investimentos caso não seja detido o avanço do desmatamento.”

O jornal coloca na conta de Jair Bolsonaro as perspectivas catastróficas para o PIB no Brasil nesse ano. “Governantes negacionistas ou relapsos têm sido desastrosos, como comprovou, nos EUA, o comportamento do presidente Donald Trump, líder do brasileiro Jair Bolsonaro. Países do mundo rico onde a reação à pandemia se retardou devem fechar o ano com desempenhos piores que o do Brasil. Mas em boa parte da Europa as economias já estavam enfraquecidas. O atraso da resposta à doença foi um complicador a mais.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão