Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Nesta terça-feira, 30, editorial do Estadão trata da escolha de Carlos Decotelli para o Ministério da Educação. E de todos os problemas decorrentes disso. “Quando Bolsonaro anunciou Decotelli para o MEC, sua nomeação despertou a esperança de que finalmente o governo poderia definir com os Estados e municípios uma política comum para assegurar o futuro dos estudantes brasileiros, comprometido pelo avanço da covid-19. Cinco dias após sua indicação, porém, fica evidente que ele está longe de ser a pessoa certa para o cargo. Como pode transmitir algo construtivo quem não tem credibilidade nem autoridade moral? Como pode ser levado a sério um ministro da Educação que falsifica currículo?”

O jornal também trata das estratégias para tentar minar a propagação de discurso de ódio nas redes sociais. “O espaço para propagação de discurso de ódio nas redes sociais está cada vez mais estreito. Num futuro não muito distante, ficará relegado ao submundo da internet, de onde nunca deveria ter emergido. Graças ao esforço conjunto de órgãos de Estado, empresas e organizações da sociedade civil, a noção de que tudo é permitido no chamado ambiente virtual caiu por terra há alguns bons anos e hoje o sistema jurídico-penal da maioria dos países civilizados já é capaz de lidar com os crimes que são praticados na internet. Agora cresce a asfixia econômica sobre as plataformas que não se mostram aptas a conter a intolerância.”

Outro editorial, discute a estratégia de parte do bolsonarismo, de tentar se descolar dos mais extremistas apoiadores do governo. “Aliados de Jair Bolsonaro preocupados com a reação do Judiciário contra o extremismo bolsonarista pretendem minimizar a importância dos radicais no movimento que sustenta o presidente. Como mostra recente reportagem do Estado, esses aliados agora querem fazer o País acreditar que os camisas pardas bolsonaristas não são representativos do ‘grupo do Bolsonaro’, que é como os supostos moderados se referem a si mesmos.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão