Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Editorial do Estadão deste domingo, 5 trata do sistema como os ministros do Supremo Tribunal Federal são escolhidos. “Tramitam no Congresso dezenas de projetos e propostas de emenda constitucional (PECs). E agora, diante da possibilidade de Bolsonaro indicar indivíduos despreparados, servis e “terrivelmente evangélicos” para a vaga a ser aberta com a aposentadoria do ministro Celso de Mello, em novembro, vários políticos passaram a pedir mais rapidez na tramitação dessas PECs. O último levantamento identificou cerca de 20 iniciativas nesse sentido, sendo a mais importante uma PEC de autoria do senador Lasier Martins (Podemos-RS), apresentada em 2015, e que recebeu depois um substitutivo do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG).”

Também aponta para o fato de a política nacional ameaçar a retomada econômica. “Tensões políticas poderão prolongar a recessão e dificultar o ajuste das contas públicas, adverte a Fundação Getúlio Vargas (FGV), na edição de junho de seu Boletim Macro. A política tem destaque entre as incertezas citadas pela equipe da Fundação em suas últimas análises do quadro brasileiro. Por enquanto, suas projeções indicam retração econômica de 6,4% em 2020, um número otimista quando comparado com as estimativas de entidades multilaterais. Exemplo: pelos cálculos do Fundo Monetário Internacional (FMI), o Produto Interno Bruto (PIB) será 9,1% menor que o de 2019, se o Brasil sofrer só uma onda de covid-19.”

E aborda a diminuição da renda dos trabalhadores brasileiros durante a pandemia. “A partir dos microdados levantados pelo IBGE para maio – o pior mês para a cadeia de produção –, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) realizou uma radiografia dos efeitos da pandemia sobre os rendimentos do trabalho e o impacto do auxílio emergencial. No período, a renda média foi de R$ 1.898,86, enquanto habitualmente seria de R$ 2.320,24 – ou seja, no geral os brasileiros receberam apenas 82% de seus rendimentos habituais.”