Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Neste sábado, 18, o Estadão volta a destacar a importância das eleições municipais. “Ao contrário do que às vezes se pensa, o município é um âmbito fundamental da vida política do País. Poucas esferas do Estado têm tanto impacto direto sobre a vida do cidadão como o Executivo e o Legislativo municipais. Dessa forma, é de enorme relevância a eleição do prefeito e dos vereadores de cada cidade. Muito se avança quando a escolha para esses cargos recai em pessoas competentes e honestas, com prioridades e projetos alinhados com as necessidades de cada localidade. Nunca é demais, portanto, relembrar a importância do voto consciente de cada cidadão. Mas não basta pedir responsabilidade ao eleitor para que se consiga um preenchimento minimamente satisfatório desses cargos. Há uma condição – para se votar bem é preciso antes ter bons candidatos.”

O comportamento dos consumidores ante a reabertura da economia em muitos Estados é tema de segundo editorial. “Confiança é fundamental para a recuperação, empresários e consumidores estão mais confiantes e essa é a boa notícia, mas há algo mal encaixado nessa história: os consumidores se mostram menos animados que os dirigentes da indústria, do comércio, dos serviços e da construção. Com o comprador menos entusiasmado que o produtor e o vendedor, como ganhará impulso a recuperação dos negócios? A reativação em maio ficou muito longe de igualar a queda acumulada em março e abril. Desde junho, mais lojas foram abertas em ruas e shopping centers, mas o movimento tem sido muito fraco, segundo lojistas citados pela imprensa. A quarentena parece prosseguir na economia doméstica, com mais poupança, como informa o Banco Central (BC), e mais contenção nas compras.”

O jornal também elogiou a postura e o discurso de Milton Ribeiro ao tomar posse no MEC. “Recebido com desconfiança pelas alas evangélicas e ideológicas que apoiam o presidente Jair Bolsonaro, o novo ministro – que é pastor presbiteriano, especialista no Antigo Testamento e foi anunciado pelo presidente da República como alguém que respeitará “os valores da família” – prometeu que respeitará os princípios constitucionais da laicidade do Estado e do ensino público. Apesar de sua formação religiosa, como gestor público ele é obrigado a respeitar a Constituição, afirmou.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão