Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: O que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

Neste terça-feira, 21, editorial do Estadão comenta a entrevista Thomas Friedman ao jornal. “‘É a primeira vez que ela, a Mãe Natureza, tem o mundo inteiro em suas mãos’, disse o jornalista Thomas Friedman, na quinta entrevista da série realizada pelo empresário Luciano Huck em parceria com o Estado. ‘O grande desafio para entender e reagir à pandemia é que você precisa fazer algo que a maioria dos líderes mundiais nunca fez, que é olhar o planeta por meio do prisma da natureza, e não da política nem da economia nem da ideologia.'”

O jornal também comenta sobre a necessidade de economia e meio ambiente caminharem juntos. “Além de integrar esforços para ‘reconstruir melhor’ a economia global, o Brasil precisa reconstruir sua reputação. Como apontou em artigo no Estado Rubens Ricupero, um dos signatários da carta, isso exigirá uma bateria de ações bilaterais nos fóruns internacionais e institutos financeiros, como demonstrar o empenho do País em atender aos compromissos do acordo Mercosul-União Europeia; propor uma coalizão internacional de organismos financeiros e instituições privadas; apoiar a negociação de acordos sobre comércio de bens ambientais; responder às recomendações da OCDE sobre políticas ambientais; ou participar ativamente das discussões nas Cúpulas Climáticas da ONU.”

A publicação também fala do “toma lá, dá cá” em sua versão bolsonarista. “Bem ou mal, o presidente Jair Bolsonaro parece ter entendido que não tem como governar o País se não construir uma base razoável no Congresso. Contudo, em lugar de arregimentar apoio a partir de uma agenda comum e da disposição de dividir o poder, Bolsonaro optou pela velha estratégia de angariar votos na base da oferta de cargos e verbas – algo que, nunca é demais lembrar, Bolsonaro, em sua vitoriosa campanha eleitoral, jurou que não faria.”

Tudo o que sabemos sobre:

Editorial Estadão