Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

O principal editorial do Estadão na edição deste domingo (23) trata da decisão do Supremo Tribunal Federal que, por 9 votos a 1, proibiu o governo de produzir dossiês contra adversários. “São tempos estranhos estes em que atributos comezinhos da democracia, como a liberdade de expressão e o direito de reunião pacífica, precisam ser reassegurados como nunca antes tiveram de ser desde a redemocratização do País, lá se vão 35 anos”, observou o editorialista, já no início do texto.

“Os ministros do STF deixaram claro no julgamento que uma coisa é a produção de relatórios de inteligência, fundamentais para o processo de tomada de decisão em qualquer governo do mundo. Outra, bem distinta, é o uso da força do Estado para bisbilhotar os opositores do governo. Resta ver se este tipo de prática cessará, como deve, ou se os arapongas apenas passarão a ser menos mambembes’, conclui o editoral, intitulado Mensagem tranquilizadora.

Em outro texto em sua página de Opinião, o jornal se debruça sobre a escala de maturidade democrática da Freedom House, na qual o Brasil vem perdendo pontos. “A eleição do presidente Jair Bolsonaro, um político que tem sua história marcada pelo desapreço pelo pluralismo, pela liberdade, pelas instituições republicanas e pelos direitos e garantias individuais, inspira vigilância constante da sociedade e dos Poderes Legislativo e Judiciário. Às instituições e aos cidadãos, em suas diferentes instâncias de organização, cabe refletir e agir para não só defender a democracia, mas aperfeiçoar os próprios mecanismos de defesa”, constata o editorial, que também aborda o papel das redes sociais nessa remissão da democracia.