Imagem da Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

por Vera Magalhães e Marcelo de Moraes

BRP Recomenda: o que dizem os editoriais

Equipe BR Político

Exclusivo para assinantes

No principal editorial deste domingo, 6, o Estadão parte de um “desabafo” de Jair Bolsonaro, para quem a Presidência “não é para qualquer um”, para concordar com ele: de fato, são atributos do cargo uma série de qualidades, que o texto passa a listar, e que contrastam absolutamente com a forma com a qual o próprio Bolsonaro governa.

São esses os atributos que, de acordo com o jornal, “separam os estadistas dos oportunistas e aventureiros”: ter um projeto claro de país, compreender o que é o poder e como exercê-lo numa sociedade democrática, demonstrar respeito reverencial pelas instituições republicanas e respeitar a imprensa.

“Como se observa, não é mesmo fácil ser presidente da República. É um fardo e tanto, que só líderes políticos muito preparados, intelectual e emocionalmente, são aptos a carregar. Infelizmente, a democracia, por mais madura que seja, não é capaz de garantir a qualidade dos presidentes que serão eleitos, ainda mais em tempos de confusão, mentiras e rebaixamento moral como estes que ora vivemos; por outro lado, a democracia tem mecanismos muito eficientes para pelo menos impedir que os presidentes flagrantemente incapazes de exercer o cargo continuem indefinidamente no poder”, conclui o texto.

Outro texto fala a respeito do ensino universitário no Brasil, ao analisar o ranking das universidades da entidade britância Times Higher Education. Instituições como a USP e a Unicamp melhoraram sua classificação, e várias universidades federais a mantiveram, a despeito de problemas de investimentos do MEC. “Para que as universidades brasileiras caminhem na mesma linha, é preciso maior competência e visão de mundo da área educacional do atual governo. Se elas se saíram relativamente bem na avaliação da THE deste ano, foi por sua capacidade de resiliência e não por iniciativa e empenho governamental”, conclui o editorial.